Nova norma de caminhos e espaços da ABNT entra em vigor

12/11/2015 às 13:05

Grupo Policom® participou da equipe de elaboração

Wolf (33)Em vigor desde o dia 6 de setembro de 2015 (um mês após a publicação), a norma ABNT NBR 16415:2015 - Caminhos e espaços para cabeamento estruturado foi desenvolvida pela CE 03:046.05 do COBEI (CB-3/ABNT), composta por consultores, fabricantes de vários sistemas e subsistemas que se aplicam a cabeamento estruturado e integradores.  Coordenado pelo engenheiro Paulo Marin, o grupo é composto por 25 membros, entre os quais o Grupo Policom, representado pelo engenheiro de aplicações Carlos Cruz.

O desenvolvimento dessa norma, desde a primeira reunião, passando pelo período de Consulta Nacional de 60 dias e publicação do documento, levou 18 meses, que é citado por Marin como o período médio normal de desenvolvimento de uma norma nova pela ABNT. “Felizmente o trabalho fluiu de forma muito natural, a equipe é experiente tanto no desenvolvimento de normas, quanto no assunto objeto desta norma. Assim, tivemos poucas dificuldades no decorrer dos trabalhos. Talvez a maior dificuldade encontrada tenha sido procurar desenvolver uma norma consistente e eficiente e ainda, capaz de trazer especificações que atendam à s necessidades dos serviços de redes e telecomunicações dos usuários dos edifícios, enquanto viável para projetistas da infraestrutura de cabeamento, bem como construtores”, comenta.

Publicada em 6 de agosto, a norma agora está sendo divulgada como direcionamento nacional, oficial e vigente junto a projetistas, integradores, instaladores de cabeamento estruturado, usuários e construtores. Essa norma avança frente as similares internacionais e engloba cabeamento estruturado Categoria 7, mais usado em áreas industriais.

Como ressalta Marin, a ABNT NBR 16415:2015 trata de caminhos e espaços para cabeamento estruturado e, embora a cobertura seja muito parecida com o que é definido pela ANSI/TIA-569-C, as normas não são equivalentes. “Por se tratar de uma norma ABNT, instituição que pertence ao sistema ISO (Internacional) de normalização, nossas normas quando desenvolvidas com base em outras normas existentes, devem necessariamente, ser baseadas em normas ISO e/ou IEC. Não é permitido (de fato é ilegal) utilizar alguma norma de outra organização (que não a ISO e/ou IEC) como base para o desenvolvimento de uma norma nacional”, explica.

Presença - Carlos Cruz, além de representar o Grupo Policom no comitê, foi indicado pelos demais membros como secretário do CB-3/ABNT. Essa é a terceira vez que participa da elaboração de normas para a ABNT. A primeira experiência foi com a ABNT NBR 14565:2013, que trata de cabeamento estruturado, seguida da norma brasileira de cabeamento estruturado residencial, a ABNT NBR 16264:2014, que especifica um cabeamento estruturado para residências e considera aplicações de ICT (informática, basicamente), BCT (broadcast, TV, entretenimento, etc.) e CCCB (automação e controle residencial), e, neste momento, integra o grupo de especialistas que elabora a norma para cabeamento industrial.

Como explica Cruz, a participação do Grupo Policom na elaboração da norma comprova a permanente atualização do corpo técnico da empresa e o comprometimento com as boas práticas do mercado em que atua, proporcionando benefícios para os parceiros, pois “como atuamos em suporte ao integrados e realizamos treinamentos para a equipe comercial, levamos informações que são de nosso domínio”.

Escopo da ABNT NBR 16415:2015 - Essa nova norma se aplica, basicamente, a qualquer tipo de ambiente onde se planeja instalar um sistema de cabeamento estruturado, seja ele um edifício comercial, residencial, um data center, entre outros. Entre suas especificações, Marin cita o dimensionamento de salas de telecomunicações, da sala de equipamentos, de eletrocalhas, eletrodutos, pisos monolíticos, sistemas de proteção passiva contra incêndio, etc.

“Trata-se de um documento bastante completo e de aplicação prática tanto para o projetista quanto para o integrador”, comenta Marin, explicando que a ABNT NBR 16415:2015 especifica e recomenda critérios para a alocação de espaços no interior do edifício e considera edifícios monousuário e multiusuários. Em outras palavras, traz “especificações (portanto diretrizes objetivas) de como dimensionar espaços de telecomunicações (salas de telecomunicações, sala de equipamentos, infraestrutura de entrada, salas de telecomunicações de uso comum, etc.), bem como caminhos (eletrodutos, eletrocalhas, leitos, pisos elevados, monolíticos, etc.) para a instalação de sistemas de cabeamento estruturado em edifícios. Até a publicação dessa norma, não havia qualquer outra com tais especificações no sistema nacional de normalização”.

Desse modo, preenche uma lacuna muito importante no sistema de normalização nacional para cabeamento estruturado. O coordenador do CB-3 frisa que “temos normas importantes, atualizadas e em fase com a normalização internacional para cabeamento estruturado, porém faltava uma norma de infraestrutura para complementar o conjunto de normas”.

Desenvolvimento - A ABNT NBR 16415:2015 foi desenvolvida tendo como base as normas ISO/IEC 18010: Information technology - Pathways and spaces for customer premises cabling (Caminhos e espaços para cabeamento em edifícios) e ISO/IEC 14763-2: Information technology - Implementation and operation of customer premises cabling - Part 2: Planning and installation (Implementação e operação do cabeamento em edifícios - Parte 2: Planejamento e instalação, e traz conteúdo adicional que complementa as informações “importadas” daquelas normas. Marin informa que a ANSI/TIA-569-C também as utiliza como base.

Novidades - A entrada dessa nova norma em vigor, não dá por acabado o trabalho da comissão, que está trabalhando “no projeto de norma de cabeamento estruturado industrial, com previsão de publicação em meados de 2016. Além disso, temos outras normas na fila, como por exemplo uma norma de cabeamento estruturado para hospitais, outra para hotéis, entre outras”, comemora Marin.