Estádios do futuro: conectados e inteligentes para atrair mais público

31/08/2018 às 17:54

Arenas para o entretenimento, como os complexos esportivos, oferecem grandes oportunidades para os fornecedores de infraestrutura tecnológica

Melissa Strait* 

Os estádios e autódromos são estruturas enormes, criadas com o objetivo de oferecer experiências empolgantes para o público. Seja para uma partida de futebol, um grande show ou uma corrida de automóveis, todas essas arenas ao redor do mundo têm como objetivo oferecer uma experiência inesquecível aos fãs. Em um mundo digital, sempre conectado, o segredo para que os usuários tenham uma permanência satisfatória inclui uma boa conexão com a internet, segura, estável e rápida, que permita, por exemplo, fazer o upload de fotos e vídeos para as redes sociais sem gargalos.

Embora os estádios tragam grandes desafios estruturais para atingir conectividade de primeira linha, por outro lado oferecem oportunidades excepcionais quando a infraestrutura de rede está em ordem. Afinal, as lojas das arenas, câmeras, luzes e até a área de fast food, tudo demanda uma largura de banda maior para poder suportar a quantidade de dados transmitidos pela Internet durante um evento, em uma praça de esportes conectada.

Por isso, cada vez mais os estádios ao redor do mundo funcionarão como pequenas cidades inteligentes. Da mesma forma que as chamadas smart cities, um estádio deve contar com uma infraestrutura que garanta aos usuários a conectividade e disponibilidade de rede necessária para satisfazer cada uma de suas necessidades, em todos os espaços. Um exemplo disso é o Estádio NRG, em Houston Texas, que conta com 783 antenas estrategicamente espalhadas pela CommScope no local, fornecendo maior largura de banda, não só dentro do estádio, mas também na região em torno dessa arena.

A conexão de alta velocidade permite também que os fãs encontrem restaurantes próximos, hospedagem, etc. Desta forma, cria-se um ecossistema de hotéis, meios de transporte, restaurantes e outros estabelecimentos, toda uma experiência envolvente para que as pessoas prefiram ir ao estádio que ficar em casa e ver o jogo pela televisão, por exemplo.

Nos Estados Unidos, empresas como a CommScope disponibilizam soluções de cobre e fibra em estádios e autódromos, como o Daytona International Speedway, para aumentar a capacidade de Wi-Fi. Na América Latina há estádios de futebol como do Monterrey, no México, com avançado sistema para tornar mais eficiente a rede celular, ampliar a cobertura das conexões sem fio, garantir o correto funcionamento dos sistemas de vídeo e áudio, etc. Seja em estádios de futebol americano, shows ou autódromos, os service providers precisam estar preparados para atender às expectativas dos torcedores e suportar as exigências futuras.

 

*Melissa Strait é jornalista, editora e trabalha como assistente executiva da diretoria de tecnologia da CommScope.