Notícias

A ver os posts de Julho, 2017

Rio de Janeiro inaugurará Policom Solution Center em agosto

LOGOTIPO POLICOM SOLUTION CENTER

Estão em andamento as obras de  construção do Policom Solution Center na unidade localizada na capital fluminense, que será o terceiro Solution Center do Grupo Policom construído desde 2010. Iniciadas ainda em junho, as obras estão a cargo da Maxxime Engenharia. A inauguração está prevista para agosto deste ano, por ocasião dos 16 anos da empresa.

19876132_10207412124699902_989184717_oCom 65m2 de área construída e capacidade para até 12 pessoas, o espaço funcionará como showroom de todas as tecnologias ofertadas pelo Grupo Policom.

A iniciativa e empreitada será liderada pelo diretor da unidade, Eduardo Rodrigues, com recursos e apoio dos profissionais da sede do Grupo Policom, em São Paulo (SP), e dos fabricantes.

A criação desse espaço, como frisa Anderson Luiz Carvalho, gerente de Marketing do Grupo Policom, favorecerá a realização de treinamentos e certificações de clientes e profissionais do setor, a exemplo do que acontece nos demais espaços similares, os PSC localizados no Ipiranga e na Paris Cabos (ambos na capital paulista).

CONTRATO PSC RIO (2)Destacando o “tremendo sucesso dessa iniciativa iniciada em 2010”, Carvalho informa que no espaço estarão tecnologias para demonstração das marcas comercializadas pelo Grupo Policom, em cabeamento estruturado; CFTV IP, contemplando câmeras de diversos tipos, NVRs e softwares; controle de acesso, incluindo uma catraca com conexão IP; racks GP Racks Server e TOP Solution G5.

O PSC RIO também vai suportar todas as câmeras de segurança do prédio da Policom Rio existentes, além das novas e também vai receber toda a estrutura da rede corporativa existente, portanto além da função de showroom também hospedará os servidores de dados e a central telefônica da empresa.

Fluke Networks anuncia certificador de cabos de cobre básico ao mercado brasileiro

DSX-600 CableAnalyzerO DSX-600 CableAnalyzer® realiza testes de certificação de categoria Cat 6 e Classe E  e Cat 6A e Classe EA. O valor do produto pode ser consultado no sistema CotaONLINE do Grupo Policom.

A Fluke Networks anuncia ao mercado brasileiro o lançamento do DSX-600 CableAnalyzer, um certificador de cabos de cobre básico, com preço acessível, que proporciona crescente produtividade e ROI aprimorado para pequenos trabalhos de instalação de cabos. Projetado para oferecer uma certificação básica de cabos de cobre de categoria 6A e classe EA, o DSX-600 aumenta a eficiência de pequenos prestadores de serviços que instalam e testam redes de cobre.

O DSX-600 da Fluke Networks agiliza todos os aspectos do trabalho de certificação, desde a configuração até o teste e a resolução de problemas, passando pela criação de relatórios para o cliente. Ele pode realizar testes de certificação de categoria Cat 6 e Classe E em apenas nove segundos, e lida com testes Cat 6A e Classe EA em apenas dez segundos, permitindo que os instaladores testem milhares de conexões a cada turno de oito horas. Além disso, a duração prolongada de sua bateria lhe permite realizar oito horas de testes com uma única carga.

Graças a seu sistema ProjX®, o DSX-600 ajuda a gerenciar os requisitos de trabalho e seu progresso, desde a configuração até a aceitação dos sistemas, assegurando que a configuração de testes seja feita sem falhas e que todos os testes sejam concluídos corretamente “já na primeira vez”. Ao mesmo tempo, graças à  compatibilidade com o serviço baseado na nuvem, o LinkWare® Live, os prestadores de serviço podem gerenciar os trabalhos e testadores de certificação a partir de quaisquer dispositivos inteligentes através de redes Wi-Fi, em qualquer momento ou local. Desde o lançamento do produto em 2014, seus usuários já fizeram o upload de mais de quatro milhões de resultados de testes no LinkWare Live. O DSX-600 também funciona com o LinkWare® PC, o que possibilita que prestadores de serviço criem relatórios profissionais em PDF para clientes com rapidez e facilidade.

O DSX-600 possui uma interface de usuário com tela sensível ao toque, permitindo que os técnicos passem menos tempo apertando botões e mais tempo testando. Caso uma ligação falhe, a análise integrada na resolução de problemas proporciona as ferramentas para ajudar os usuários a identificarem o local da falha.

“Agora, até mesmo os prestadores de serviço que apenas testam pequenas instalações de cobre podem realizar uma certificação de cabos precisa e excelente de um fornecedor líder mundial”, comentou Thomas Roth, diretor sênior de marketing da Fluke Networks. “O DSX-600 fornece certificação essencial baseada em 25 anos de histórico em testes de cabos, 13 centros de serviços mundiais e uma equipe de suporte que já escreveu mais de mil artigos em sua área de atuação”.

O DSX-600 está disponível em duas versões: o modelo básico, que inclui os adaptadores de canal, e o DSX-600-Pro, que acrescenta os adaptadores de link permanente. O DSX-600 conta com o suporte mundial da Fluke Networks, incluindo os centros de serviço em 13 países e treinamento disponível em 50 países.

Disponibilidade - O DSX-600 CableAnalyzer já está disponível nos principais distribuidores da Fluke Networks, como o Grupo Policom. Demonstrações podem ser solicitadas pelo email contato@policom.com.br. Preço pode ser solicfitado pleo CotaONLINE do Grupo Policom: www.grupopolicom.com.br/cotaonline.

Uptec leva DC101 a Belo Horizonte

Com o apoio do Grupo Policom e da CommScope foto

Com o objetivo de elevar o conhecimento técnico na disciplina de data centers, gerando como resultados melhores projetos, oportunidades de negócios e networking para todos as pessoas envolvidas no processo, a Uptec Construção e Tecnologia, com apoio do Grupo Policom e patrocínio da CommScope, promoveu o treinamento DC101: Fundamentos de infraestrutura de data center, nos dias 26 e 27 de abril.

Anderson Carvalho, gerente de Marketing do Grupo Policom, ressalta que essas ações em conjunto com parceiros tem a meta de “elevar o conhecimento técnico de nossos clientes na disciplina de Data Centers e gerar novas oportunidades de negócios para os parceiros do Grupo Policom ”.

 

Por que usar nobreak?

Carlos CruzEngenheiro do Grupo Policom responde e explica benefícios

Rede pública de distribuição que não fornece energia pura e uniforme para equipamentos eletrônicos sensíveis, fazendo com que o cliente se responsabilize pelo estado e funcionamento seguro de seus equipamentos. Essa é uma descrição sumária dos problemas usualmente vivenciados no Brasil, justifica a necessidade de uso de nobreaks e levou o Grupo Policom a desenvolver um simulador de nobreak que, entre outras funções, busca informar os profissionais de operação de edificações e usuários de TI sobre a importàância do uso de nobreaks.

Em decorrência desse cenário, Carlos Cruz, engenheiro de aplicação do Grupo Policom, alinha subtensão, sobretensão, ruídos (interferências), picos (surto de tensão), corte de energia (blackout), distorção harmônica e alteração de frequência, entre outros, como os problemas usuais com relação à  qualidade e ao fornecimento da energia elétrica nas empresas, independentemente do porte. Segundo ele, os cinco primeiros são mais usuais.

A subtensão é o problema mais comum no abastecimento de energia e corresponde a breves reduções nos níveis de tensão. Já a sobretensão, que consiste no aumento da tensão, com duração mínima de 1/120 de segundo, pode provocar danos prematuros nos equipamentos, embora seja menos perniciosa do que o pico de tensão, que é um aumento repentino e substancial da tensão e pode destruir um equipamento eletrônico ou algum de seus componentes. O ruído elétrico que é mais conhecido tecnicamente como interferência eletromagnética e interferência de radiofrequência - explica Cruz - o altera a onda senoidal uniforme que se espera da rede pública de abastecimento. Por sua vez, o corte de energia - conhecido como apagão, é a interrupção total do fornecimento de energia.

A incidência desses problemas é mais usual do que se imagina, comenta Cruz, informando que “estudo realizado pela IBM indica que um sistema normal está exposto a mais de 120 problemas todos os meses, em virtude do suprimento de energia. Os efeitos dos problemas do suprimento de energia elétrica oscilam dos mais sutis (bloqueio de teclado e degradação de hardware) aos mais graves (perda completa de dados ou queima de placas importantes)”.

Como justificativa para uso desses equipamentos, Cruz também cita pesquisa realizada pelo Grupo Yankee, que mostra que “praticamente metade das empresas pesquisadas estimaram os custos do tempo de inatividade dos sistemas em mais de US$ 1.000 por hora e 9% afirmaram que esses custos poderiam chegar a mais de US$ 50.000 por hora. Sempre foi dito que existem dois tipos de usuários de sistemas: os que perderam dados por problemas com o suprimento de energia e os que irão perdê-los”.

Para buscar equacionar essas dificuldades, o nobreak é fundamental, mas a diversidade de modelos e tipos pode ser um complicador para o usuário não-especializado no tema. Segundo cruz, há três tipos mais comuns de nobreaks: stand by, line interactive e dupla conversão online.

A arquitetura do tipo Stand by ou Linha back-ups semisenoidal interativo, por exemplo, permite que o fornecimento de energia para a carga seja dado diretamente através da rede elétrica. “Neste modo de funcionamento não há estabilização da tensão de saída. Quando há alguma falha na rede elétrica, o circuito inversor passa a operar. A carga passa a ser alimentada pelo banco de baterias. Existe um tempo de comutação entre a falha na rede elétrica e a entrada em funcionamento do inversor de 4 a 10 milissegundos. Possui baixo custo, sendo indicada para aplicações residenciais e pequenos escritórios”, detalha Cruz..

A Line interactive ou Linha smart-ups senoidal interativo, por sua vez, possui funcionamento similar à  tecnologia stand-by, porém, “difere na presença de um circuito estabilizador de tensão, que mantém a saída estabilizada. Possui médio custo e é indicada para aplicações de grandes residências, grandes escritórios, áudio, vídeo, salas de computadores, servidores, sistemas de redes de informática comerciais e industriais”, indica o engenheiro do Grupo Policom.

Já a versão dupla conversão online ou linha smart-ups senoidal on-line dupla conversão permite que o fornecimento de energia para a carga seja contínuo, via circuito inversor. “Os distúrbios da rede elétrica não afetam a saída. Com a rede elétrica normal, o inversor é alimentado pelo estágio retificador e o carregador mantém as baterias carregadas. Quando há uma falha na rede elétrica, o inversor passa a ser alimentado pelas baterias. Nesta arquitetura não há interrupção no fornecimento de energia para as cargas durante a comutação entre os modos de funcionamento”, diz Cruz, ressaltando que esta tecnologia é a mais utilizada “para a alimentação de cargas críticas como caixas eletrônicos, máquinas industriais, servidores, equipamentos ativos (switches, roteadores, comutadores e etc.) em Data Centers, equipamentos médicos em clínicas e hospitais”.

 

Soluções para testes de fibra óptica: tema de webinar em 27 de julho

A Fluke Networks realiza em 27 de julho, à s 9h, webinar sobre soluções básicas para testes de fibra óptica e como elas podem ajudar no dia-a-dia no equacionamento de problemas simples que podem se tornar muito complexos sem a posse de uma ferramenta adequada. O webinar será ministrado por Rodrigo Pastre, gerente de canal da Fluke Networks. As inscrições devem ser feitas aqui

Focada no mercado SMB, TP-Link firma parceria com Grupo Policom

Novo parceiro é referência no mercado nacional de distribuição de produtos para Cabeamento Estruturado

A TP-Link, líder global em produtos Wi-Fi com mais de 45% de market share, vem investindo pesado no mercado SMB neste ano. E como parte dessa estratégia, acaba de anunciar parceria com o Grupo Policom, referência no mercado nacional de distribuição de produtos para cabeamento estruturado direcionados a aplicações de dados, voz, vídeo e controles prediais, e para CFTV IP dos principais fabricantes do mercado.

A parceria visa ofertar os produtos da linha SMB, tais como conversores de mídia, switches PoE, Switches convencionais e Wireless Corporativo.

“Nossos produtos são complementares aos vendidos hoje pela Policom. Onde há cabeamento estruturado, há necessidade de Switches, e no caso de CFTV, onde há câmeras IPs, são necessários Switches PoE. Por isso, essa parceria é tão estratégica, atuamos juntos para sanar as necessidades dos clientes: onde uma empresa faz cabeamento, vamos entrar com a oferta de wireless corporativo”, explica Nelson Ito, Diretor de produtos SMB e ISP da TP-Link no Brasil.

Além dessa parceria, a TP-Link está investindo no mercado corporativo como estratégia de crescimento, seguindo a tendência de aquecimento desse setor no país nos próximos anos. Segundo dados do Gartner, mesmo com a recessão, o mercado de TI deve crescer 2,9% em 2017, e os os serviços de TI devem responder por US$ 943 bilhões do faturamento do setor. “Queremos parcerias de longo prazo, com parceiros especialistas no mercado SMB e cada vez mais aumentar a representatividade de nossos produtos”, explica Ito.

Para garantir que a estratégia tome forma, a empresa investe em treinamento de parceiros, treinamento das revendas para ofertar as soluções SMB, além de aumento na prospecção de novos clientes e projetos.

“A nossa estratégia SMB no Brasil não seria possível sem a parceria e a experiência de mercado do Grupo Policom. Estamos muito satisfeitos e seguros com a nossa escolha”, finaliza Ito.

Opinião semelhante é expressa por Luís Fernando Mussolini de Oliveira, diretor comercial do Grupo Policom, ao informar que “a estratégia do Grupo Policom é fornecer solução completa de infraestrutura aos nossos clientes. Além disso, investimento continuamente no relacionamento com o mercado e no atendimento das propostas e consultas. A nossa mais recente ação, que inclui as soluções da TP-Link é o CotaOnline, um aplicativo que está em fase de testes e agiliza o processo de orçamento de projetos”.

Sobre a TP-Link

Fundada em 1996, a TP-Link é líder global em fornecimento de dispositivos e acessórios de rede confiáveis, envolvendo todos os aspectos do dia a dia de seus clientes. A empresa é reconhecida pela IDC como a fornecedora número 1 de WLAN e dispositivos banda larga, com produtos presentes em mais de 120 países e milhões de clientes em todo o mundo.

Reconhecida pela estabilidade e desempenho, a TP-Link desenvolveu ao longo dos anos um portfólio de produtos capazes de atender à s necessidades de conexão de pessoas por todo o mundo. Agora, enquanto a vida conectada continua a evoluir, a empresa passa a expandir hoje para exceder as demandas que virão no futuro.

Linha Small Business 500 da Cisco: destaque no Grupo Policom

Serie 500 - 63011

Com o objetivo de complementar o atendimento aos integradores e clientes no mercado de infraestrutura de cabeamentos estruturado para redes de dados, Data Center e monitoramento CFTV IP, o Grupo Policom atua como Cisco Select Partner, tendo a Westcom Comstor como parceira de distribuição.

Por esse motivo, o Grupo Policom mantém para pronta-entrega amplo estoque de switches Cisco, como a Linha Small Business 500, que se caracteriza por contar com produtos que têm o gerenciamento mais avançado dentro desse segmento.

Essa linha de produtos possui opções de empilhamento entre switches facilitando o gerenciamento e fluxo de dados. Além disso, as switches da linha Small Business 500 da Cisco possuem diversas funções como QoS, suporte a IPv6, Roteamento em camada 3, e opções de POE tradicional e POE+.