Notícias

A ver os posts de Fevereiro, 2017

Versiv DSX 8000 Cable Analyzer, o novo certificador Categoria 8 da Fluke Networks, é tema de webinar

DSX_CableAnalyzerT_Series-8000

O dia 24 de fevereiro foi escolhido pelo Grupo Policom para, em parceria com a Fluke Networks, apresentar webinar sobre a novidade em certificação de redes de cabeamento estruturado: o novíssimo Versiv DSX 8000 Cable Analyzer, primeiro e único certificador aprovado para uso em campo com Categoria 8, com frequência de teste de 2.000 MHz.

Realizado pela primeira vez no Brasil, esse webinar sobre o Versiv DSX 8000 Cable Analyzer discorrerá sobre verdades e mitos da Categoria 8, fornecendo informações sobre os padrões da Norma da Categoria 8, apresentando instalações em operação e discorrendo sobre o sistema de certificação.

O Versiv DSX 8000 Cable Analyzer foi verificado pela Intertek para atender ao Nível 2G da TIA, considerado o requisito de precisão mais rigoroso do setor. Os resultados mostram que o tempo de teste para Categoria 8 é de 16 segundos, contra 8 segundos para Categoria 6A.

Gratuito, o webinar será realizado das 9h à s 10h. As inscrições devem ser feitas pela seção AGENDA do site do Grupo Policom: www.grupopolicom.com.br.

NetBotz: sensor otimizado para montagem em data center

netbotz 455Direcionada a segurança e monitoramento remoto de infraestrutura de TI, a solução NetBotz, da APC (American Power Conversion, da Schneider Electric), transforma a forma como é feito o gerenciamento de ambientes, criando novas oportunidades de negócios.

A linha NetBotz é direcionada a monitoramento proativo de ativos de TI. De instalação rápida, tem interface intuitiva com o usuário, é disponível em vários modelos. Leve e compacto, esse produto tem peso líquido de 0,20 KG, pode ser instalado em locais com temperatura variando entre 0ºC e 45ºC e umidade relativa do ar de até 95%.

Com dois anos de garantia, o NetBotz pode ser instalado na parede, sendo ideal para data centeres. Possui sensores pequenos, que conferem flexibilidade na instalação. Permite, ainda, incorporar sensores compatíveis com a família NetBotz para monitoramento de temperatura, umidade, fluidos, vibração, partículas de poeira, etc. Possibilita, também, a personalização de cada sensor com nomes e localizações diferentes.

O modelo NetBotz 160 contribui na detecção de abertura de uma porta, pois ativa um registro de vigilàância. Para atingir suas finalidades, possui câmera USB que melhora a capacidade de vigilàância de determinados monitores para sala e para o rack NetBotz, possui áudio de 2 vias, é compatível com função de manutenção remota por entradas de alto-falante e microfone, conta com contato nas portas, é equipado com câmera de vídeo full-motion.

Já o modelo NetBotz 155, que é mais simples, suporta quatro sensores universais, tem porta de comunicação A-Link, permite a localização dos sensores a uma distàância máxima de 1.000 metros.

O Grupo Policom distribui as soluções APC by Schneider Electric e mantém, no Policom Solution Center, em São Paulo (SP), um NetBotz modelo 455 instalado em operação. Para conhecer o produto ao vivo, é só agendar visitas no local ou demonstrações virtuais pelo e-mail contato@policom.com.br.

 

Testadores Netscout são tema de webinars gratuitos no Grupo Policom

NS-ACK-G2_002_cpeqDe março a maio, o Grupo Policom promove três webinars gratuitos sobre as soluções Netscout, líder de mercado em soluções para garantia de serviço de redes.

No dia 7 de março, com o tema “Conheça o Assistente de Rede OneTouch AT da Netscout”, o treinamento online apresentará esta ferramenta que automatiza a resolução de problemas da rede, capacitando equipes de profissionais de TI a validar e a solucionar problemas com eficiência em redes de acesso Ethernet e Wi-Fi. 

Análise de redes Wi-Fi com as soluções Netscout é o tema do segundo webinar, que acontecerá em 21 de março. Na ocasião, será demonstrado o caminho para sanar problemas comuns encontrados em redes Wi-Fi. O foco será no testador de redes Wi-Fi AirCheck G2 e no software AirMagnet para projetos e implementação de redes LAN Wi-Fi.

O terceiro webinar programado acontecerá em 3 de maio e terá como tema central os testes PoE - Power over Ethernet -  e de conectividade de rede de cobre e fibra com as soluções da Netscout, mostrando como os equipamentos portáteis deste fabricante podem auxiliar a equipe de TI a manter as redes de cobre e fibra livre de problemas. O testador de Rede LinkSprinter, por exemplo, executa teste de Power over Ethernet (PoE), DHCP, gateway e conexão de internet; resultados de testes enviados diretamente para o seu e-mail; integração com Link-Live Cloud e dispositivos mobile entre outros diferenciais. Já o LinkRunnber AT Network Auto-Tester testa a conectividade da rede para testar e identificar com precisão problemas de conectividade da rede com o autoteste de 10 segundos; além de examinar a conectividade de rede do par trançado e os links de Ethernet de fibra óptica a taxas de 10, 100 e Gigabit entre outros diferenciais.

As inscrições são gratuitas podem ser feitas pela seção AGENDA do site do Grupo Policom (www.grupopolicom.com.br).

details-frontA linha de produtos da Netscout compreende soluções adquiridas da Fluke Networks em àâmbito mundial em julho de 2015, que geram ganhos significativos à s empresas e aos provedores de serviços em função de favorecer a gestão de serviços de redes móveis e a identificação de problemas de desempenho na rede, assim como ajudar a rapidamente equacionar problemas que causam interrupções de negócios ou impactam negativamente nos usuários de TI.

O Grupo Policom é um dos distribuidores da marca no Brasil e, desde o primeiro semestre de 2016, oferece as soluções LinkSprinter®, LinkRunner ®, AirMagnet®, OneTouch® e AirCheck®. São produtos direcionados para testes e análise de redes especialmente projetados para ajudar o dia a dia dos técnicos de suporte de rede e TI, além da solução em software AirMagnet, que oferece uma infinidade de recursos direcionados a projetos Wi-Fi.

Grupo Policom: linha completa de câmeras IP da Dahua Technology

      46016_01 peq        46012 peq

A Dahua Technology está presente no mercado brasileiro desde o início do ano - após anos de atuação a partir da sede, na China - com equipe própria e showroom, tendo o Grupo Policom está entre os seus distribuidores. A empresa fornece produtos e soluções de monitoramento de vídeo, sistema de transporte inteligente, residência smart, entre outros.

No portfólio dessa fabricante - que lidera mundialmente o mercado de soluções de monitoramento de vídeo - destaca-se linha completa de câmeras IP, como modelos Bullet e Mini Bullet, com resoluções de 1,3 MP, 2 MP e 3 MP. Destaque também para a câmera panoràâmica de 12 MP, day&night, com WDR de 360º.

46009_46010 peqTodas essas câmeras são PoE, dispensando rede de energia dedicada, e possuem iluminador em infravermelho (IR), o que torna a imagem nítida mesmo em ambientes sem iluminação. Além disso, os produtos dessas famílias contam com codificação de fluxo duplo em H.264 e MJPEG, DWDR, Diurno/Noturno (ICR), Redução de Ruídos Tridimensional (3DNR), Balanço de Branco Automático (AWB), Controle Automático de Ganho (AGC), Compensação de Luz de Fundo (BLC). A caixa externa tem proteção IP 67.

As câmeras bullet possuem lentes varifocais 2,8/12, sendo que no caso das de 1,3 MP há opção em lente monofocal.

Já as câmeras mini bullet têm lente fixa de 3,6 mm (6 mm, opcional) e o LED infravermelhos possuem alcance de até 30 m. Além disso, contam com CMOS com varredura progressiva de 1/2,7 polegadas e 2 MP. Enquanto as opções de 2 MP e 3 MP são WDR, as de 1,3 MP são WD.

Sobre a Dahua Technology

Os portfólios dos produtos fornecidos pela empresa incluem séries iniciais e finais avançadas, visor, software, assim como as soluções inteligentes de tráfego, bancos, varejo, transportes, energia, estacionamento, controle de acesso, alarmes e vídeo porteiro. Em 2001, a Dahua foi a primeira empresa na China a lançar o gravador de vídeo digital embutido em tempo real com 8 canais. Desde então, a empresa tem investido cerca de 10% na receita de vendas anual em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de novas tecnologias e inovação. Hoje, a Dahua possui 11.000 colaboradores e mais de 4.000 profissionais na equipe de P&D para fornecer produtos de ponta com alta qualidade e excelente desempenho. A prioridade da Dahua é criar situações que atendam à s necessidades do mercado e maximizar a importàância dos clientes, valorizando-os. As soluções Dahua são aplicadas em todo o mundo em mais de 180 países de todos os continentes.

Manhã tecnológica no Grupo Policom enfoca segurança IP

O Grupo Policom, buscando manter atualizados os profissionais que atuam na integração de sistemas de infraestrutura de redes de comunicação e de CFTV IP, realiza manhã tecnológica com a participação de seus parceiros, em 16 de fevereiro, das 9h à s 12h30, no Policom Solution Center (PSC).

Batizado de Manhã da Segurança IP, o evento é gratuito e exclusivamente direcionado a instaladores que já atuam com CFTV IP e/ou controle de acesso.

A programação prevê apresentação da linha de produtos Dahua; apresentação Institucional da Vault Assa Abloy e soluções de controle de acesso, controladoras, periféricos, sistemas e integrações (SDAI, CFTV e SSCU) desenvolvidas pela empresa; política de canais CommScope AMP, condições comerciais para registro de oportunidades, garantia estendida e CommScope Partner Portal; e soluções CommScope, tendências em tecnologias de alta velocidade, cabo UTP como meio universal de transmissão, mercado brasileiro de cabeamento estruturado e suporte a novas tecnologias.

O Policom Solution Center está localizado na Rua Costa Aguiar, 1714, Ipiranga, São Paulo-SP.

Informações e inscrições na sessão AGENDA no site do Grupo Policom (www.grupopolicom.com.br).

Grupo Policom define agenda de treinamentos para 2017

Agende-se

Contribuir efetivamente para o desenvolvimento do mercado e a formação de profissionais capazes de atender à  crescente demanda por mão de obra qualificada é um dos objetivos do Grupo Policom, que desde sua fundação, em 1995, promove treinamentos em conjunto com seus parceiros.

A experiência obtida ao longo desses mais de 20 anos permitiu o desenvolvimento de cursos e cerificações próprios. Outro ponto que segundo Anderson Luiz Carvalho, gerente de Marketing do Grupo Policom, favoreceu o desenvolvimento dessas ações foi a inauguração do Policom Solution Center no final de 2010, seguida também da implantação do Paris Cabos Solution Center em 2016, ambos sediados na capital paulista.

“Esses investimentos em infraestrutura somados à  permanente atualização do corpo técnico-comercial das empresas do Grupo Policom permitiram criar uma agenda diversificada de treinamentos, cursos, webinars e certificações, inclusive com programas especialmente desenvolvidos para atendimento das necessidades de nossos clientes e parceiros, além de ter permitido acordo com o DataCenter Dynamics para os cursos nas regiões brasileiras Sul e Sudeste”, frisa Carvalho ao informar que a agenda para 2017 já começa a ser delineada.

Destaque para a certificação CCTT Fluke Networks Plataforma Versiv, que terá sete turmas em 2017, nos meses de março, abril, junho, julho, setembro, outubro e dezembro.

Para fevereiro, estão programadas duas ações: uma Manhã da Segurança IP, exclusivamente direcionada a instaladores de CFTV e controle de acesso, no dia 16.

DC100 - Treinamento em Fundamentos de infraestrutura de data centers e Certificação Data Center Design Awareness - DCDA estão agendados para março, mais especificamente para os dias 9 e 10 de (DC100) e 27 a 29 (DCDA)

Detalhes sobre os eventos agendados, assim como os locais em que serão realizados, estão disponíveis na sessão AGENDA no site do Grupo Policom (www.grupopolicom.com.br).

Artigo: 6 razões confirmam a importÃância da certificação de cabeamento

Richard Landim - Fluke 2peqPor Richard Landim é especialista de Produtos da Fluke Networks Brasil, líder mundial no fornecimento de soluções de teste de rede e monitoramento.

O atual cenário de crise econômica que o país enfrenta demandou uma reestruturação dos orçamentos de TI. Reduzir custos é a prioridade número um das empresas, que precisam tomar decisões difíceis para reduzir despesas operacionais e de capital. No entanto, neste processo, é fundamental que os gerentes de TI não se esqueçam de que uma infraestrutura de rede saudável está diretamente ligada à  produtividade, eficiência e expansão de serviços.

Uma opção tentadora para reduzir as despesas de TI pode ser adiar a manutenção. Embora nenhuma organização prorrogue uma manutenção realmente crítica, existem tarefas que podem ser adiadas, pois estão em uma zona cinzenta que pode ser considerada "opcional". Trafegar nessas decisões não é fácil, mas seria um grave erro suspender os testes da fundação de cada rede: seu cabeamento de cobre e fibra.

O teste mais completo para o cabeamento de rede é a certificação. A certificação prova que um sistema de cabos adere a rigorosos padrões de desempenho e de execução da instalação, por isso, este procedimento requer técnicos treinados e equipamentos de teste especializados. Este é um esforço caro que pode ser adiado, certo? Errado.

O cabeamento é responsável por metade de todas as falhas na rede. Ao certificá-lo, as falhas são significativamente reduzidas. Em tempos financeiramente desafiadores, este é um benefício crucial que pode ser potencializado de seis maneiras:

Certificar é mais barato que reparar

A certificação de cabos de cobre e fibra previne problemas. Sem ela os reparos devem ser feitos em uma rede ativa ou pior, em uma rede que está sofrendo uma interrupção.

O tempo de inatividade da rede resulta em perda de receita e produtividade, redução de serviço ao cliente e desvantagem competitiva. Um estudo do Gartner estimou que uma hora de inatividade de uma rede corporativa custa, em média US$ 42.000, dependendo da indústria.

Se uma empresa é desafiada a melhorar seu tempo de atividade anual de 99,9% para 99,99%, ela precisa reduzir o tempo de inatividade por oito horas. Usando a estimativa do Gartner sobre o custo de inatividade, isso gera uma economia para a empresa de US$ 336.000 por ano. Mas como se chega lá?

Há muitas causas de inatividade. Um estudo do Gartner/Dataquest apontou que o erro humano e de aplicação são responsáveis por 80% das falhas. Mas se a rede representa apenas 20% da causa, ela responde por US$ 67.000 da exposição.

Compare isso com o custo da certificação. Uma rede com 600 linhas de cobre Categoria 6 passa por testes de certificação. Uma suposição realista é que 5% dos links falham no teste inicial e devem ser reparados e testados novamente. Usando um certificador de cabo moderno todo o processo levaria aproximadamente 11 horas. A uma taxa comercial de R$50 por hora, a despesa será de R$600. R$600 de despesa para economizar US$67.000. O caso de sucesso da certificação é auto evidente.

As garantias do produto estão limitadas

Em tempos difíceis um proprietário de rede pode ser tentado a usar a garantia de um fabricante por segurança. Isso é compreensível uma vez que a maioria dos fabricantes de cabos e conectores oferecem boas garantias e estão por trás de seus produtos. Entretanto, esses fabricantes não podem garantir a instalação final.

A qualidade de uma instalação de cabos está em grande parte nas mãos dos instaladores. Se a habilidade do profissional é fraca, mesmo produtos excelentes falham. As falhas e problemas associadas à  rede estão fora do escopo de uma garantia de hardware, de modo que o proprietário da rede e o instalador devem negociar a correção.

A única maneira de assegurar que a obra do instalador atenda aos padrões e que as melhores práticas sejam seguidas é através dos testes de certificação. A certificação dá a proteção necessária contra custos imprevistos ao proprietário da rede e, quando os ventos da economia estão desfavoráveis, essa proteção é sempre bem-vinda.

Certificação e Recertificação serão a prova de futuro da infraestrutura

Você pode acreditar que um cabo, após instalado e certificado, nunca mais precisará de atenção. Isso pode ser imprudente. Uma planta de cabeamento recertificada pode provar ser compatível com o tráfego de alta velocidade que é implantado anos após o cabo ser instalado pela primeira vez. Quão importante é o suporte para velocidades mais altas? De acordo com um levantamento de datacenters pela empresa de pesquisa BSRIA, a tecnologia multigigabit é comum agora:

tabela

Quais são as implicações disto? O cabo de cobre da categoria 6 foi projetado para suportar uma taxa de dados de 1 Gigabit por segundo. Os recentes testes de certificação em campo indicam que boa parte do cabo Cat 6 usado nos datacenters está em conformidade com o padrão 10GBASE-T e pode suportar o serviço de 10 Gigabit em distàâncias curtas a moderadas. Se você recertificar o cabo Cat 6 em seu datacenter pode encontrar um caminho eficiente para uma taxa de transferência de 10X, evitando alguns ou todos os custos de substituição de cabeamento. Além disso, quando a demanda por serviços de TI repercutir, a planta de cabos recertificados estará pronta para suportar novos equipamentos e expandir os serviços.

Cabeamento não certificado = Capital Subutilizado

à‰ um fato: Recessões agitam o mercado, especialmente o imobiliário. Quando um novo inquilino entra em um edifício o estado de seu cabeamento apresenta uma série de questões. Quantos anos têm? Funciona? Para que foi usado? Quando? O novo inquilino pode ver a essa quantidade de cabos de cobre e/ou fibra como um mistério e não como algo bom.

Certificar 200 links de cabos custará menos de R$ 1000. A instalação de 200 novas linhas do novo cabo Cat 6 custará de R$ 5.000 a R$ 10.000. A escolha para o locatário é fácil.

A certificação é sinônimo de capital poupado para os proprietários de edifícios e inquilinos. A falta de certificação transforma o cabeamento legado em capital subutilizado: dinheiro gasto que não pode ser recuperado.

Reduzir resíduos é uma boa política

O argumento econômico para estender a vida dos cabos foi descrito no item 4, mas pode não ser o pior caso. O Código Elétrico Nacional (NEC 2002) requer a remoção de cabos abandonados que não sejam identificados para uso futuro. Sem certificação, o custo do cabo legado pode incluir a despesa com a remoção e reciclagem dos cabos e/ou o impacto ambiental da eliminação.

Maximizar o uso de cabos de cobre e fibra existentes é uma política de negócios consistente. Quando devidamente conservado tem uma longa vida útil. Com orçamentos limitados exigindo maior eficiência, faz sentido usar a certificação para implementar os três pilares da gestão ambiental: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Comprador Cauteloso

Uma tendência inquietante na indústria de cabos refere-se a produtos das categorias 5, 6 e 6A. Estes cabos são muitas vezes fabricados fora do país e é mais barato se comparado ao de grandes fabricantes. Infelizmente, muito destes cabos baratos são produzidos com materiais inferiores e em processos de fabricação questionáveis.

Em 2008, a Communications Cable & Connectivity Association testou nove marcas de cabos sem nome em comercialização no mercado.. Nenhuma delas atingiu porém os requisitos físicos definidos no TIA 568-B.2; apenas cinco atenderam aos padrões de teste elétrico determinados no TIA 568-B.2; e somente uma atende aos pré-requisitos de segurança definidos pelas normas UL 1666 e NFPA 262. Mas como esse cabo tão fraco chega ao mercado? Isso acontece porque as agências de segurança realizam testes aleatórios na fábrica e não no campo. O abismo no processo de qualidade deixa os usuários finais expostos a riscos de segurança e desempenho totalmente evitáveis.

Para assegurar que não haja prejuízo ou riscos ocultos com cabos Cat 5, 6 e 6A de baixo custo, as empresas e instaladores devem se certificar de que o cabeamento esteja de acordo com os padrões da indústria.

Em suma, o cabeamento certificado tem muito mais valor. E pode variar dependendo da aplicação e da empresa. Considere as armadilhas dos cabos não certificados. Considere o trade-off entre os testes e "espere o melhor". A esperança é raramente uma boa estratégia e, em uma economia desafiadora, é ainda mais perigosa.

Réguas gerenciáveis APC montadas em rack: novidade no Grupo Policom

pdu_apc_-_32a_230v_-_apc_-_ap8853peqEssas unidades de distribuição de energia medível montada em rack são fabricadas pela APC by Schneider Electric e disponíveis em diversos modelos

O Grupo Policom comercializa três modelos de Unidades de Distribuição de Energia (PDUs) da da APC (American Power Conversion), empresa do grupo Schneider Electric: de 10 A, 16 A e 30 A.

Gerenciáveis, essas unidades de distribuição de energia com Medidores e Racks oferecem medição ativa para a otimização da energia e proteção de circuitos e possuem alarmes, com limites definidos pelo usuário diminuem os riscos por meio de alertas locais e remotas em tempo real de advertência de sobrecargas potenciais de circuitos. Para isso, sistema para monitoramento real da energia, uma porta de sensor de temperatura/umidade, tomadas IEC com trava e disjuntores de circuito de perfil ultrabaixo.

apc_ap7532_basic_rack_power_distribution_660224peqEssas soluções fornecem dados de uso da energia para facilitar a tomada de decisões esclarecidas por Gerentes de Data Centers sobre como equilibrar as cargas e dimensionar os ambientes de TI, com o intuito de reduzir o custo total de propriedade. O acesso e a configuração pelo usuário pelo usuário podem ser feitos via interfaces Web seguras, SNMP ou Telnet, que são complementados por plataformas de gerenciamento centralizado da APC que utilizam os módulos InfraStruXure Central, InfraStruXure Operations, InfraStruXure Capacity e InfraStruXure Energy Efficiency.

O modelo de 10A conta com 16 tomadas C13, de 230V; enquanto que a régua de 16A possui 18 tomadas C13 e 2 C19. Já a PDU de 30 A é equipada com 24 tomadas padrão NEMA 5-20R.

Alguns destes produtos podem ser conhecidos pessoalmente no Policom Solution Center, em São Paulo, SP.

Grupo Policom e APC by Schneider Electric

A linha de produtos da APC by Schneider Electric é comercializada pelo Grupo Policom desde maio de 2016. A principal finalidade desses produtos é a de proteger equipamentos eletroeletrônicos contra oscilações de tensão e quedas de energia, reduzindo a possibilidade de queima dos equipamentos e consequente prejuízos causados por essas falhas, principalmente em períodos de chuvas fortes, como acontece na Primavera e no Verão.

“Com mais esta parceria, os clientes que usualmente trabalham com o Grupo Policom passam a ter mais uma opção de produtos focados em energia, principalmente em projetos de data center compactos com até 20 racks, perfil de projeto  que é uma de nossas especialidades”, comenta Anderson Luiz Carvalho, gerente de Marketing do Grupo Policom, citando a possibilidade de cross selling com soluções de cabeamento e segurança, com atenção especial aos canais que já conhecem APC e apoio à queles que queiram diversificar a sua oferta de soluções.