Notícias

A ver os posts de Julho, 2013

CIO Executive Day RS: Grupo Policom participa com CommScope

O Grupo Policom® - através da Policom RS - participa do CIO Executive Day RS, no dia 1º de agosto de 2013, no Hotel Deville Aeroporto, em Porto Alegre (RS).

Além de demonstrar soluções da CommScope®, como o ImVision e o InstaPATCH® Quattro, o Grupo Policom responde por palestra intitulada  Uma Visão do futuro das redes, que será proferida à s 14h10, pelo engenheiro Rafael Menezes, gerente de produtos Commscope no Grupo Policom.

O evento tem por objetivo reunir os principais executivos do Estado para discutir o tema “Gestão de Equipes na era das Mídias Sociais”. Em sua nona edição, o evento alia relacionamento, conteúdo e integração. Os participantes podem esperar uma agenda técnica para atualização dos conhecimentos e uma agenda de relacionamento que promove a troca de ideias e o networking entre os participantes.

Este é o segundo CIO Executive Day de que o Grupo Policom participa em 2013. O primeiro foi em Curitiba (PR), em junho.

InstaPATCH QUATTRO

Solução 10Gbase-T ou 1Gbase-T, que combina cabos UTP pré-conectorizados com painéis carregados que agregam cassetes com quatro portas UTP cada, a InstaPATCH QUATTRO é modular, pode ser remanejada ou ampliada sem impactos na operação do Data Center. Todos esses itens são pré-testados com equipamento Fluke Networks. 

A solução é formada por cabo tronco de 4 canais com conectores MC InstaPATCH de conexão rápida, sendo também disponível com conectores RJ45 em uma de suas extremidades (breakout cables); cassetes de quatro canais com um conector MC InstaPATCH QUATTRO na parte traseira e quatro RJ45 na frente, que agilizam e facilitam a instalação; e duas opções de painéis, com24 portas 1U (densidade standard, inteligente ou inteligência-ready) ou 48 portas 1U (alta densidade), com ou sem módulos

A linha ImVision

A linha ImVision® (Infrastructure Management Vision), da CommScope, constitui-se a quarta geração de hardware da solução iPatch de gerenciamento de infraestrutura de cabeamento. Acessibilidade, mobilidade e sustentabilidade são conceitos inerentes à  solução, que se combina perfeitamente à  solução iPatch, com seus painéis metálicos e ópticos (patch panels e bastidores ópticos).

Lançamento mundial da CommScope em 2012 e disponível no Grupo Policom®, a linha ImVision conta com software e controladores desenhados para trabalhar com HTML5 ou seja ambiente web nativo. A acessibilidade também está representada pelo software, passível de ser acessado de qualquer local via Browser de internet, por meio de um tablet, por exemplo, e conta com muitos recursos gráficos. Os controladores, por sua vez, gerenciam os rack inteligentes e possuem interface gráfica colorida e touchscreen.

A nova versão do software gerenciador, agora rebatizado de ImVision System Manager é a versão 7.0 do Software iPatch System Manger, que sofreu profundas mudanças, tanto na linguagem de programação, quanto no acesso agora via Browser  (HTML5). Conta, também, com grandes capacidades incorporadas, como o gerenciamento de energia - Energy Wise para switches CISCO que, com o ImVision, permite aplicar as politicas de energia na tomada RJ-45 do usuário. Isso significa, como explica Henrique Shiroma, gerente técnico da CommScope, que “quando uma tomada RJ-45 for cabeada a uma porta de switch, as políticas de economia de energia serão automaticamente aplicadas à  porta do switch, sem a necessidade de uma programação do pessoal de redes”.

Essa tecnologia torna a solução sustentável e ecologicamente correta, permitindo economia de até 70% para dispositivos PoE (telefones IP, Acess Points, câmeras IP, etc.) gerenciados pelo ImVision.

Grupo Policom promove treinamento em cabeamento estruturado para CFTV IP

O Policom Solution Center (PSC), no dia 9 de agosto, das 8h30 à s 17h, sediará certificação de rede em tecnologia de cabeamento estruturado para CFTV IP, realizado em parceria entre Grupo Policom e TE Connectivity.

Especialmente preparado para instaladores  interessados em ampliar seus conhecimentos sobre redes Ethernet, conforme recomendações da normas EIA/TIA 568B, 569A, 606 e 607, a certificação será ministrada por Ivan Uliana, da TE Connectivity, e enfocará normatização, subsistemas, categorias e desempenho, Infraestrutura de rede, instalação e certificação de cabos metálicos e ópticos, administração e aterramento.

O investimento para participar da certificação é de R$ 200,00, e inclui material didático e almoço. O PSC está localizado na sede do Grupo Policom em São Paulo, no bairro do Ipiranga. Inscrições pelo endereço eletrônico http://grupopolicom.com.br/_mkt/fomulario_amp_act3_09_08.

Segurança em cabeamento agora tem norma

PauloMarinA norma ANSI/BICSI 005-2013 abrange toda a infraestrutura de cabeamento no que se refere a segurança eletrônica, incluindo os espaços de telecom correspondentes.

Nesta entrevista, Paulo Marin, doutor em telecomunicações e especialista em infraestrutura de TI, mostra como essa norma se aplica e suas vantagens, conta como participou de sua elaboração e fala de sua experiência como primeiro brasileiro a coordenar um trabalho desse porte na BICSI - advancing information technology systems.

A norma traz informações sobre práticas de instalação, estabelece alturas de montagem dos dispositivos de segurança e trata de sistemas de vigilàância eletrônica, de alarme e de detecção de incêndio. Além disso, compreende a integração de sistemas e uma introdução à  análise e ao gerenciamento de riscos, oferecendo ao projetista recomendações para a elaboração não só de projetos de integração, mas também de sistemas de segurança em geral.

Profissionalmente, Marin dedica-se à  consultoria,  treinamento técnico e acadêmico nas áreas de infraestrutura de data centers,  cabeamento estruturado, telecomunicações e TI, além de sites de missão crítica. Graduado em Engenharia Elétrica, pela Faculdade de Engenharia São Paulo (FESP), é especialista em telecomunicações pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, possui títulos de mestre e doutor em engenharia elétrica pela mesma instituição. Entre outras atividades, é membro ativo do IEEE - Institute of Electric and Electronics Engineers nos Estados Unidos, coordenador da CE 03:046.05 da ABNT (responsável pela norma NBR-14565:2012 de cabeamento estruturado para edifícios comerciais e data centers), membro do comitê ANSI/BICSI-002 (que desenvolve a norma de infraestrutura para data centers), realiza palestras em vários países e é Subject Matter Team Leader no comitê TI&M da BICSI nos Estados Unidos, instituição da qual foi secretário, presidente de distrito e diretor regional do Brasil.

 

O que orienta a norma ANSI/BICSI 005-2013 Electronic Safety and Security (ESS) System Design and Implementation Best Practices?

Marin -A orientação desta norma é oferecer ao projetista elementos normativos (obrigatórios) e recomendações para a elaboração de projetos de sistemas de cabeamento estruturado quando utilizados como infraestrutura física para segurança eletrônica e sistemas de segurança em geral.

 

Qual a abrangência dessa norma?

Marin - A BICSI 005 cobre a infraestrutura de cabeamento para segurança eletrônica, que inclui o cabeamento horizontal e o cabeamento de backbone. Ela apresenta o conceito do HCP (ponto de conexão horizontal) do qual partem enlaces de cabos dedicados aos dispositivos de ESS instalados pelas áreas de cobertura do edifício atendidas por um determinado HCP. A BICSI 005 também traz especificações e recomendações para os encaminhamentos de cabeamento para ESS, bem como espaços de telecomunicações correspondentes. Ela traz informações sobre práticas de instalação, alturas de montagem dos dispositivos , trata de sistemas de detecção de intrusos, vigilàância eletrônica, controle de acesso, sistemas de alarme e detecção de incêndio, integração de sistemas e uma introdução à  análise e ao gerenciamento de riscos.

 

Quanto tempo levou sua elaboração?

Marin - O subcomitê para o desenvolvimento dessa norma foi constituído no fim de 2009 e os trabalhos começaram em janeiro de 2010. Ao longo do desenvolvimento da norma foram gerados três drafts até a conclusão do texto oficial.

 

Ela substitui alguma norma anterior? Qual? Por quê?

Marin - Não. Trata-se de uma norma inédita, que teve como objetivo preencher uma lacuna existente entre os profissionais de segurança eletrônica e os de infraestrutura de TI. Portanto, é a primeira norma publicada sobre infraestrutura física para sistemas de segurança eletrônica.

 

Qual a influência dela no mercado brasileiro?

Marin - Apesar de ser uma norma ANSI, portanto oficial nos Estados Unidos, há grande potencial de que venha a ser utilizada como referência nos projetos de cabeamento estruturado que tenham como finalidade atender aos dispositivos e sistemas envolvidos em instalações para segurança eletrônica. De qualquer forma, mesmo em se tratando de uma norma norte-americana, tivemos a preocupação de torná-la o mais universal possível. Assim, acredito que ela encontrará aplicação ampla no Brasil.

 

Quantas pessoas compuseram o comitê de elaboração?

Marin - O grupo é composto por 43 membros..

 

Além da BICSI, que outras instituições participaram?

Marin - Esta norma foi desenvolvida pela BICSI apenas. A designação ANSI/BICSI mostra que se trata de uma norma americana oficial, aprovada pelo American National Standardization Institute - ANSI), com validade em todo o território nacional dos Estados Unidos, obviamente.

 

Quais os principais pontos da norma?

Marin - Eu diria que os principais pontos da BICSI 005 são os seguintes:

- Oferece ferramentas para o projeto e implementação de sistemas de cabeamento estruturado especialmente desenvolvidos, levando em consideração os requisitos dos dispositivos e sistemas utilizados em segurança eletrônica (ESS).

- Define a topologia directattach, que estabelece critérios para a implementação e testes de enlaces diretos de cabos entre o distribuidor horizontal e o dispositivo ESS. Nesta topologia, não é necessário que o segmento de cabo horizontal termine numa tomada de telecomunicações (TO) como num cabeamento estruturado convencional e seja conectado ao cabeamento por meio de um patch cord. Isso se aplica apenas a este ambiente de segurança eletrônica e tem como objetivo minimizar os pontos únicos de falha num canal de cabeamento.

- Traz o conceito de integração de sistemas, ou seja, apresenta diretrizes para a implementação dos diversos subsistemas de segurança eletrônica, como detecção de intrusos, vigilàância eletrônica, controle de acesso, detecção de incêndio e sistemas de alarme, entre outros.

 

à‰ a primeira vez que você coordena um grupo como esse?

Marin - Na verdade, lidero grupos de normalização há mais de uma década, pois coordeno uma comissão de estudos (CE) na ABNT/COBEI, responsável pela norma NBR 14.565 (cabeamento estruturado para edifícios comerciais e datacenters) e pela norma de cabeamento estruturado para aplicações residenciais que se encontra em fase de conclusão. Também sou membro do subcomitê ANSI/BICSI 002, responsável pela norma de infraestrutura para datacenters da BICSI, publicada em 2011. De qualquer forma, esta foi a primeira vez que coordenei o desenvolvimento de uma norma americana (ANSI).

 

Fale sobre a experiência.

Marin - Apesar de ter experiência na coordenação de desenvolvimento de normas e outras literaturas técnicas e de há muito tempo me relacionar com a BICSI, fiquei feliz por ter sido apontado pelo comitê de normalização da BICSI (BICSI Standards Committee - BSC) para coordenar um subcomitê para o desenvolvimento de uma norma americana. O fato de ter minha indicação aceita de forma unàânime me deixou ainda mais orgulhoso e feliz pela credibilidade conquistada na comunidade BICSI nos Estados Unidos, que eu não sabia que era tão alta. A coordenação do trabalho foi tranquila do ponto de vista de relacionamento com o grupo e com a associação e trabalhamos muito para chegar a um documento do qual todos nos orgulhamos. Não foi fácil, mas conseguimos cumprir todos os prazos estabelecidos; os americanos em geral são organizados, objetivos e orientados a metas. Foi uma experiência rica, construtiva e satisfatória. Tenho a sensação de ter concluído um trabalho bem feito como líder do grupo (composto por profissionais competentes e dedicados), de ter conseguido manter o foco e o conduzido por um caminho de sucesso.      

 

à‰ a primeira vez que um brasileiro coordena um trabalho desse porte na BICSI?

Marin - Sim.

 

Você sabe se já houve isso em outros organismos internacionais do mesmo porte e representatividade?

Marin - Não sei, porém, sinceramente acredito que não. Com certeza isso é inédito no mercado de cabeamento estruturado. 

Qual é o seu cargo na BICSI e no comitê de elaboração?

Marin - Na BICSI sou um membro antigo, desde 1998, e me envolvo como voluntário em várias atividades relacionadas ao desenvolvimento de literatura técnica e normalização. Como exemplo, sou o responsável pelo conteúdo do Capítulo 2 do TDMM (EMC) e contribuo com vários outros. Sou membro do subcomitê ANSI/BICSI 002 (datacenters) e do comitê BICSI de informação e métodos (responsável pela definição da literatura técnica que será desenvolvida e revisada pela associação), entre outros. Com relação à  norma de ESS, meu cargo é subcommittee chairman, ou seja, coordenador do subcomitê ANSI/BICSI 005 de segurança eletrônica.

 

Grupo Policom presente em evento aeronáutico

A Paris Cabos - empresa do Grupo Policom - em parceira com a Fundamentos IT, de 11 a 14 de julho de 2013, participa da 16ª Feira Internacional de Aeronáutica (Expo Aero Brasil), realizada nas instalações do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos (SP). Durante os quatro dias do evento, a equipe da Fundamentos demonstrará alguns produtos do portfolio da Paris Cabos, a exemplo de soluções de cabeamento estruturado e CFTV IP. Entre as soluções em demonstração estão soluções da CommScope - rack e gerenciamento inteligente de rede iPatch -, além de câmeras IP da Avigilon e da Pelco.  

Tecnologias para Data Center e CFTV IP: tema de treinamento em GoiÃânia e UberlÃândia

O Grupo Policom realiza Road Show em Goiàânia (GO) em 16 de julho de 2013, e em Uberlàândia, dois dias depois, sempre a partir das 16h, sobre tecnologias para Data Center e CFTV IP. O programa compreende palestras proferidas por representas de empresas parceiras do Grupo Policom: CommScope, Transition Networks, Pelco, Fluidmesh e Fluke Networks. Rafael Meneses, gerente de produtos da Policom SP, enfocará Soluções do fabricante mundial para Data Centers; Programa Green CommScope; Solução ImVision: gerenciamento de camada física de rede; e Solução 10 Gb UTP e Fibra à“ptica. As soluções Transition Networks, incluindo as direcionadas a videovigilàância IP serão apresentadas por Henrique Presch, enquanto Paulo Ramos falará a respeito das soluções Pelco Digital Sentry e Sarix Sure Vision. As opções disponibilizadas pela Fluidmesh, as topologias utilizadas, a rede Mesh e projetos de sistema estão a cargo de Marcos Paulo Martins Barros, gerente técnico, Grupo Policom. A apresentação sobre os equipamentos de análise e teste de redes e as ferramentas da Fluke Networks, com ênfase na linha Versiv, será feita por Rodrigo Pastre. Inscrições e informações pelo telefone 11 2021-4213 ou pelo e-mail mg.rsvp@grupopotenciall.com.br. Em Goiàânia, o evento será realizado na Churrascaria Montana Grill, localizada na Avenida 85, número 2.330, esquina com a Avenida T-10, no setor Marista. Já em Uberlàândia, o treinamento será feito no dia 18 de julho em parceria com a Lantec Tecnologia em Redes no Casarão Grill, na Praça Coronel Carneiro, 52, região central da cidade mineira.      

Guardião: sistema móvel de monitoramento em alta definição com tecnologia Avigilon

Guardiao 1Um sistema de CFTV IP de alta definição autônomo, capaz de ser transportado e movimentado com facilidade. Isso foi materializado pela HDX Security, de Cotia (SP). Com tecnologia Avigilon e desenvolvido com suporte técnico e materiais fornecidos pelo Grupo Policom, o equipamento é direcionado a eventos e agrega, na mesma solução, central de controle, comunicação, coordenação e inteligência.

Resultado de 8 meses de desenvolvimento e mais de R$ 200 mil apenas em equipamentos, o Guardião, como foi batizado o projeto, é móvel, montado em uma carreta com engate rápido, que atende as normas do Contran e pode ser transportada com facilidade de um local para outro. à‰ equipado com câmeras Avigilon, sendo uma speed dome de 2 MP (megapixel), uma câmera fixa de 2 MP com lente varifocal incorporada de 4-85mm, uma câmera fixa HD PRO de 16 MP e uma quarta câmera com sistema de vídeo analítico incorporado, para contagem de pessoas, objetos, medição de velocidade e reconhecimento facial.

Permite que outras câmeras sejam agregadas ao sistema, com transmissão via rádio, tornando desnecessária criação de infraestrutura física, com cabos. Todas as informações, do sistema fixo e das câmeras agregadas, são enviadas a um centro de controle único, que pode ser remoto (em central dedicada) ou estar instalado no próprio local onde está sendo feito o monitoramento.

Guardiao CENTRAL ISPFabrício Rosetti, diretor da HDX Security, além das câmeras, o Guardião conta com autoalimentação por baterias, que lhe garante autonomia de 3 dias, aceitando, ainda, gerador externo, alimentação via energia elétrica e energia solar. Possui alarme integrado, GPS, tecnologia 3G e servidor com 4 terabytes, além de servidor remoto, instalado na central de monitoramento. E mais: “em 15 minutos a partir da chegada ao local, o Guardião já está operando, inclusive com câmeras extras, que saem da HDX configuradas e são montadas em tripés com antenas”.

O principal diferencial da solução, como frisa Fabrício Rosetti, é a inteligência embarcada, assim como a análise dos projetos e das necessidades do cliente realizada pela equipe técnica da HDX.

Outra vantagem é que a carreta em que está instalada a solução pode ser identificada com a logomarca do evento. Suas características tornam-no ideal para grandes eventos, como shows e eventos esportivos, entre outros.

Com testes realizados no início de 2013, o Guardião vem sendo aprovado nos eventos em que é utilizado, como a Olimpíada do Conhecimento do Senai (Serviço Nacional da Aprendizagem Industrial), ExpoSytems e jogos do Campeonato Paulista de Futebol.

Tecnologias Avigilon aplicadas

As tecnologias Avigilon aplicadas no Projeto Guardião contribuem para a mobilidade da solução e respondem pela qualidade das imagens geradas.

Guardiao 2A câmera fixa de 16 MP, por exemplo, integra a família HD PRO, que entre as características apresenta alta sensibilidade, com elevados níveis de claridade, resolução e nitidez. Por isso, a câmera cobre ampla faixa dinàâmica e faze scaneamento progressivo, atendendo as mais exigentes aplicações de vigilàância. Transmite imagens em 100BASE-TX, usando tecnologia JPEG2000 de compressão progressiva de forma a ocupar a menor banda possível e permitir a mais eficiente armazenagem de imagens do mercado, sem perder qualidade de imagem. Além disso, é Power over Ethernet, 24 VAC ou 12 VDC, e conta com interface de E/S externa e RS-485.

O sistema avançado de aquisição de imagem da câmera fixa HD PRO de 16 MP ajusta automaticamente o tempo de exposição e a abertura da íris para assegurar que toda a evidência disponível seja capturada através da gama total de cenas diurnas e noturnas. A tecnologia de montagem aplicada a esses equipamentos torna as câmeras compatíveis com uma ampla seleção de suportes de lentes Canon® EF.

Além disso, a resolução de 16 MP resulta do gerenciamento de Stream de Alta Definição (HDSM) que comprime e preserva a qualidade da imagem com eficiência, enquanto gerencia a transmissão de imagens HD através do sistema Avigilon - enviando somente os trechos solicitados de imagens à s workstations do operador. Desse modo, entrega qualidade de imagem excepcional enquanto oferece economia substancial de largura de banda, permitindo aos operadores a utilização de workstations de configuração acessível, com consequente redução de custos.

Por sua vez, as câmeras speed dome e fixas utilizadas são de alta definição e atendem o padrão H.264 para compressão de vídeo, possuem scan CMOS progressivo e foram projetadas para diversas aplicações de vigilàância. Contam com lentes varifocais integradas e totalmente motorizadas para fácil instalação e alta qualidade de imagem. Transmite imagens 100BASE-TX usando tecnologia H.264, o que resulta no consumo de menor largura de banda e em menor espaço possível para armazenamento com vídeos em alta taxa de quadros, enquanto entrega qualidade de imagem superior.