Notícias

A ver os posts de Setembro, 2011

Arrecadação de alimentos

No domingo, dia 02 de outubro, aconteceu o jogo beneficente “Guarany x Policom Logística”, para arrecadação de alimentos em prol da “Casa Chácara Belém” em Rio Grande da Serra. As contribuições podem ser encaminhadas para a POLICOM SP aos cuidados de Ernani (logística) até dia 07 de outubro, para a Rua Costa Aguiar, 1714, Ipiranga, São Paulo, SP.                

Grupo Policom no Data Center Dynamics 2011 com CommScope

O Grupo Policom® participou do Data Center Dynamics 2011, nos dias 3 e 4 de outubro, em conjunto com a CommScope® Enterprise Solutions. Na ocasião, o Grupo Policom mostrou soluções focadas em Data Centers, incluindo o lançamento da linha 360 Evolve, as soluções iPATCH 360, SYSTIMAX 360 e Uniprise, todas da CommScope. A linha 360 Evolve de painéis de cobre, lançada no segundo trimestre deste ano, é resultado do constante investimento da CommScope em renovação e melhoria de suas soluções. Mantendo a estética, diferencia-se da linha 360, aprimora os módulos de bloco RJ45/ IDC e obtém mais desempenho pelo lançamento do módulo GS6 de categoria 6A, que permite links curtos com painéis de blocos, facilitando a manutenção. O conceito de gerenciamento também evoluiu, passando a permitir a instalação do kit de upgrade mesmo com os patch panels instalados, dispensando o uso de ferramentas para sua fixação, característica que o diferencia da linha 360 tradicional. Todas as soluções expostas no Data Center Dynamics 2011 estiveram instaladas e em demonstração permanente no Policom Solution Center, na sede da Policom São Paulo, que pode ser visitado mediante agendamento prévio e se constitui showroom funcional das principais tecnologias comercializadas, favorecendo que os usuários finais conheçam as soluções em operação, fazendo testes e simulações de modo a conhecer a tecnologia antes mesmo de optar pela aplicação prática. O Grupo Policom também disponibiliza em seu site (www.grupopolicom.com.br) vídeos de demonstração, legendados. Entre os fornecimentos realizados, durante o Data Center Dynamics 2011, o Grupo Policom e a CommScope destacaram o case da Locaweb, que opera em missão crítica, investindo maciçamente em tecnologia e equipamentos. Esses investimentos atingem também a rede física, responsável por toda a infraestrutura de tráfego de informações, que é baseada em tecnologia da SYSTIMAX Solutions com materiais fornecidos continua e ininterruptamente pelo Grupo Policom desde 1998. Para suportar o alto tráfego de dados em grande largura de banda, a Locaweb utiliza cabeamento estruturado Categoria 6A e Categoria 6, que se somam a links em fibra óptica LazrSpeed® 300 e InstaPatch® Plus SYSTIMAX e conectividade UTP com patch panels angulares e PatchMAX SYSTIMAX. Além da solução SYSTIMAX, os data centers da Locaweb contam com racks Top Solution® G3, exclusividade do Grupo Policom. Maior encontro do mundo focado em data centers e grandes infraestruturas de TI, o evento contou com um programa de conferência e exposição de fornecedores para o setor. Neste ano, foi realizado nos dias 3 e 4 de outubro, no Hotel Transamérica, na capital paulista. O programa da conferência abordou 3 áreas diferentes: Projeto, Construção e Operação; Otimização de TI e Estratégias de Outsourcing. Mais informações em www.datacenterdynamics.com/conferences/2011/sao-paulo2.A participação também englobou palestra de Henrique Shiroma, gerente técnico da CommScope, sobre Soluções de Fibras Preparadas para o Futuro (40/100Gbps), com Case do Data Center da Ativas, em Minas Gerais. Será no dia 03, à s 14h30, na Sala 4. iPATCH 360, SYSTIMAX 360 e Uniprise: soluções CommScope iPatch 360 e linha óptica UHD - ultra-alta densidade -, da SYSTIMAX® direcionadas a data centers e as novidades 2011 da linha Uniprise, como os novos patch panels descarregados e solução em cabeamento blindado (FTP), são as soluções CommScope® Enterprise Solutions, líder mundial em sistema de cabeamento estruturado, destacadas pelo Grupo Policom durante o Data Center Dynamics 2011. A linha SYSTIMAX 360 se constitui solução completa de cabeamento com elevado rendimento, alta densidade e um melhor desenho ergonômico, superando os padrões do setor e apresentando funcionalidades que a transformam em uma plataforma diferenciada. A solução de fibra ótica SYSTIMAX® 360 Ultra-High Density (UHD), por exemplo, é direcionada a ambientes de data centers que necessitam otimizar seus espaços físicos e precisam de conectividade de camada física de alto-rendimento Desenvolvida pela CommScope Labs, a solução de fibra ótica SYSTIMAX 360 UHD foi desenhada para suportar aplicações de fibra de alta densidade para data centers, tais como as redes de área de armazenamento (SANs). à€ medida que aumentam as necessidades de densidade, carga elétrica dos computadores e armazenamento dentro do data center da empresa, a Solução SYSTIMAX 360 UHD da CommScope economiza espaço no andar e espaço nos gabinetes ao habilitar arquiteturas de rede que antes não eram possíveis. Ao mesmo tempo, são preservadas as rotas de migração para taxas de dados de próxima geração e os custos são reduzidos. A solução SYSTIMAX 360 UHD possui 50% de aumento na densidade utilizável, possibilitando novas arquiteturas . A solução SYSTIMAX 360 UHD possibilita crescimento no volume de armazenamento para suportar a explosão de informação de rede, permite o crescimento futuro, com o seu desenho modular, e fornece um claro caminho de melhoria para aplicações de 10G, 40G e 100G. A solução completa faz com que seja possível o desenho, a implementação e a gestão de novas e inovadoras arquiteturas de ultra-alta densidade para data centers. A solução SYSTIMAX 360 UHD tem capacidade para hospedar 864 fibras em um espaço de 1U, a estante SYSTIMAX 360 UHD fornece a mais alta densidade de interconexão de fibras disponível. Adaptado à s tecnologias de fibra SYSTIMAX LazrSPEED® e TeraSPEED®, a estante SYSTIMAX 360 UHD facilita a integração dos diretores de SAN aos ambientes de data centers. Utilizando as fibras InstaPATCH® terminadas e testadas em fábrica, cabos troncais MPO (multi-fiber push on) e resistentes fan-outs MPO/LC, o espaço nos canais de cabos é conservado, ao mesmo tempo em que fornece fácil acessibilidade à s portas dos dispositivos. Outros componentes da Solução SYSTIMAX 360 UHD, incluindo as opções de estante e painel, tais como os painéis modulares SYSTIMAX 360 de 1U e 4U, fornecem opções alternativas que cobrem os orçamentos apertados de TI e as limitações quanto a espaço nos gabinetes, possibilitando escalabilidade modular com incremento da capacidade de expansão. Como todas as soluções CommScope, a solução SYSTIMAX 360 UHD foi desenhada e fabricada para funcionar desde o primeiro momento, sempre facilitando a implementação. A CommScope respalda a sua confiabilidade oferecendo uma garantia de 20 anos para todos os seus produtos corporativos, estendendo a vida útil dos data centers e os orçamentos de TI. Para atender à  linha 360, a solução de infraestrutura inteligente iPatch foi melhorada com vários lançamentos, incluídos o novo Administrador de Painéis, uma nova bandeja de fibra ótica de 2U de alta densidade com conectividade InstaPATCH Plus e novos painéis de cobre e bandejas de fibra ótica iPatch da SYSTIMAX 360. As novas bandejas de fibra ótica G2 360 vêm em tamanho 1U, 2U e 4U, assim como em formato deslizável e fixo. Os painéis de cobre e as bandejas de fibra ótica de 1U são oferecidos em versão inteligente e “intelligence-ready” (compatível com soluções inteligentes), a qual pode ser atualizada no estabelecimento do cliente sem necessidade de tirar os cabos padrão, pelo que se evitam interrupções na rede. A CommScope ainda tomou medidas para que a embalagem dos seus produtos não danifique o meio ambiente. Por exemplo, reduziu o material de embalagem desnecessário de todos os seus produtos sem afetar a durabilidade da embalagem e emprega espuma plástica reciclável e outros plásticos reutilizáveis para manter a integridade dos produtos e, ao mesmo tempo, proteger o meio ambiente. A linha Uniprise® Solutions - que chegou ao Brasil, em maio de 2009 - possui um excelente custo-benefício e ótima qualidade, e conta com cabos e conectividade para aplicações em cobre e fibra óptica. As soluções da Uniprise® em cobre são projetadas para se integrarem com os desenhos de encaixe universais de keystones e oferecem uma variedade de opções em componentes, incluindo patch panels, tomadas, espelhos de parede e caixas de superfície. Projetadas e testadas para prover uma instalação fácil e confiável e um valor excepcional em desempenho, as soluções Uniprise® de cobre são altamente confiáveis, devido a ter sua performance otimizada ao máximo e também porque, aos testes, integra a garantia de soluções, os conhecimentos e os recursos especializados que fazem da CommScope, uma indústria líder. Os lançamentos que mostrados no estande do Grupo Policom no Data Center Dynamics 2011 dizem respeito a painéis angulares de 24 portas categoria 6; patch panels descarregados 24/48 portas - keystone, que apresentam excelente relação custo x beneficio e são compatíveis com conectores categoria 5e e categoria 6 keystone; Linha Mundial UNP “M series” de painéis angulares de 24 portas categoria 6; além de patch panels angulados descarregados com 36 portas em 1U - serie M, compatíveis com conectores categoria 6.

Segurança em data centers: a opinião de um especialista

Com o crescimento da demanda por data centers, alguns aspectos, como segurança e infraestrutura, passaram a ser fundamentais. O Grupo Policom® mantém entre seus parceiros, empresas especializadas nesses assuntos, como a CommScope® Enterprise Solutions - líder mundial em sistema de cabeamento estruturado através das linhas SYSTIMAX® e UNIPRISE®. Buscando orientar o mercado, Henrique Cesar Shiroma, gerente técnico da CommScope, responsável pelo desenvolvimento de vendas de soluções Hi-End da marca  SYSTIMAX® Solutions, representante da empresa em reuniões setoriais, comitês de normas (ABNT), homologações de produtos com a ANATEL, apresentações corporativas e congressos, foi entrevistado com exclusividade pelo Cabling News online e traz algumas orientações para o setor. Confira. A norma TIA942 trata de infraestrutura para data centers. Quais os pontos principais relacionados à  segurança nesses ambientes? A norma TIA942 classifica a infraestrutura dos data centers em 4 Tiers (níveis), conforme a capacidade de redundàância conferida aos serviços que rodam a partir destas infraestruturas, de um nível mais frágil - Tier 1 até o mais robusto a paradas, o Tier 4. Estas especificações foram publicadas em 2005 e revisadas em 2008. Muitos data centers, principalmente do setor bancário, têm como meta obter um data center Tier 4, que proporciona a maior disponibilidade de serviços possíveis para uma operação que depende quase que inteiramente do fluxo de informações. No setor corporativo, por razões econômicas, o Tier 3 se mostra bastante satisfatório para as operações do dia-a-dia. Do ponto de vista de segurança, existem inúmeros fatores que a norma aborda. A norma trata de 4 disciplinas que são separadas em Telecomunicações, Elétrica, Mecàânica e Civil. Resumidamente, a Segurança em Telecomunicações trata de encaminhamentos separados para links redundantes, entradas com separação mínima de distàância para prevenir acidentes e interrupções por problemas mecàânicos (corte de cabos, acidentes com veículos, queda de arvores, etc.), utilização de fibras armadas para evitar rompimento, gerenciamento da camada física entre outros. Enfoca, ainda as instalações elétricas, orientando o duplo encaminhamento para evitar pontos únicos de falhas, interruptores/disjuntores fora da área de conexão com as cargas, no-breaks e geradores redundantes.  Mecàânica, por sua vez, trata de redundàância em sistemas de refrigeração, e Civil, de câmeras de segurança, sistemas de controle de acesso, localização física do data center (fora de áreas de risco), etc. No que se diferenciam os data centers de outros espaços corporativos no que diz respeito a aspectos de segurança? Como se trata de um ambiente de operação critica que não tolera paradas, os aspectos de segurança são os mais amplos possíveis, como citado acima. Por exemplo, um analista da empresa ficar com seu ponto de rede parado durante 30 minutos pode ter um impacto, porém não tão significativo quanto o do servidor que controla toda a produção ficar fora do ar pelos mesmos 30 minutos. Isso seria um desastre. Portanto, a segurança para toda a infraestrutura deste servidor desde o data center até os equipamentos-clientes é essencial para a empresa e engloba segurança física e lógica. Como estão os data centers no Brasil no que diz respeito à s categorias definidas pela norma internacional? Não temos formalmente um estudo ou mesmo um órgão que fiscalize ou classifique nossos data centers, por enquanto. Assim que tivermos uma norma brasileira, isso pode se tornar uma realidade. O importante é que já existem grupos de estudo que trabalham nisso, e eu mesmo faço parte de dois deles. Como os data centers instalados no Brasil podem melhorar de categoria? Quais as tecnologias disponíveis para isso? Hoje, a iniciativa é totalmente voluntaria e visa à  qualidade dos serviços oferecidos, seja dentro ou fora da empresa.A norma TIA942 oferece boa fonte de consulta e propicia a migração de uma categoria para outra, fazendo um planejamento até um Tier 3. Para ser um Tier 4, normalmente é necessário construir um data center para tal. Muitas empresas de muitas especialidades já oferecem soluções para cada Tier em especial, seja de cabeamento, elétrica, ar-condicionado, etc. Há alguma defasagem tecnológica entre o que é disponibilizado para segurança de data centers no Brasil e nos outros países como Estados Unidos e países da Europa? Hoje, no geral, não existem grandes defasagens de tecnologia, principalmente nas soluções mais representativas dentro dos data centers. Inclusive por conta da globalização das empresas fornecedoras, temos aqui as mesmas soluções dos países mais desenvolvidos. O que há em termos de segurança em cobre e em fibra em data centers? Atualmente, a utilização de sistemas de cabeamento inteligente, tanto nas conexões de cobre, quanto nas de fibras, já são uma premissa, pois a localização de falhas pode significar a diferença de minutos de resolução a horas de parada, quando estes siste mas não são inteligentes. Outro fator importante é o de invasão interna de rede, que pode ser rastreada e localizada com a ajuda dos sistemas de gerenciamento de cabeamento. Desse modo, o local exato de quem invadiu ou difundiu um vírus, por exemplo, é facilmente identificado, mesmo se for dentro de um rack. No Brasil, os principais bancos privados e as grandes empresas são usuárias desses sistemas. Mundialmente, este já é um item obrigatório, da mesma forma que os sistemas de cabeamento pré-conectorizados em fabrica, minimizando o tempo de instalação em cerca de 80% e o risco de conectorizações mal executadas em campo, que afetam o desempenho esperado e será o calcanhar de Aquiles das velocidades acima de 1 Gbps. Que produtos a SYSTIMAX Solutions disponibilizada nesse campo? Quais os principais diferenciais? A SYSTIMAX Solutions possui o produto líder de mercado - tanto mundial, quanto nacional - para soluções inteligentes de cabeamento: o iPatch, no mercado há 10 anos, mantendo  o maior corpo técnico certificado no Brasil e no mundo. Os diferenciais dessa solução são a facilidade de uso e a possibilidade de recursos oferecidos pelo software iPatch System Manager, que, por ser desenvolvido 100% pela SYSTIMAX  permite inclusive modificações por solicitação de usuários, sem custo para este desenvolvimento, desde que aceito pelos nossos laboratórios. Um grande banco aqui do Brasil solicitou uma informação a ser mostrada na tela principal que foi incorporada a partir da versão 6.4 do software. Desse modo, todos os demais usuários se beneficiaram destas informações incorporadas. A SYSTIMAX mantém uma parceria com a Cisco. Como ela funciona? Nós somos um CTDP (Cisco Technology Developer Partner). O iPatch até agora é o único sistema de gerenciamento de camada física homologado pela CISCO. Na própria CISCO, no Brasil, é utilixado o iPatch para controlar o Ambiente, Laboratório de Datacenter  Cisco para a America Latina, localizado na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Quais as funcionalidades da solução SecureMAX? Esse produto SYSTIMAX é direcionado a clientes que tem problemas com movimentações de patch cords, ou seja, a SecureMAX é uma trava mecàânica que impede a remoção do patch cord de um painel ou tomada. Quando se fala em segurança, há também os aspectos relacionados a incêndio. Como os cabos podem ajudar nessa área? Cada espaço de instalação, de acordo com as características de população - quantidade de cabos, circulação de ar, posição de instalação - impõe a utilização de um tipo de capa especifico, que tem sua característica de resistência à  chama. Como regra, as mais resistentes podem ser utilizadas em áreas que requerem capas menos resistentes, mas não ao contrario. Há normas internacionais e brasileiras que tratam disso? Quais? O que dizem? Existe uma norma no Brasil que regulamente isso: a NBR 14705 ,que se baseia em normas internacionais. Quais as diferenças entre LSZH-1 e LSZH-3? E entre LSZH e as CMX, CM, CMR e CMP? Quando usar cada uma delas? Podemos dizer que em relação à  queima os cabos podem ser classificados do melhor para o pior na seguinte ordem CMP - Plenum = baixa queima e Indicado para Datacenters e em locais de piso elevado e Forros com insuflamento. LSZH - (IEC 60332-3-22) = baixa emissão de fumaça e sem emissão de gases alógenos com teste de queima em agrupamento CMR - Riser = uso em shafts (Vertical) LSZH - (IEC 60332-1) = baixa emissão de fumaça sem emissão de gases alógenos com teste de queima com cabo único CM = Uso geral CMX = Uso doméstico, em conduites com apenas 1 cabo e não recomendado em prédios comerciais De maneira geral, a classificação CM americana se baseia no poder de queima dos cabos. A classificação LSZH europeia se baseia no poder de queima dos cabos e na baixa emissão de gases alógenos e fumaça, ou seja, são classificações diferentes. Para utilização em áreas com alta concentração de cabos só deveriam ser escolhidos os cabos LSZH com o teste baseado na norma IEC 60332-3-22. Infelizmente no Brasil, o LSZH usualmente aplicado é o que satisfaz somente a norma IEC 60332-1, que tem poder de combustão maior.

Vídeos de soluções Fluke em português no canal do Grupo Policom

O Grupo Policom disponibiliza em seu canal no Youtube (www.youtube.com.br/grupopolicom) vídeos de soluções da Fluke Networks: Testador Wi-Fi AirCheck, Plataforma de testes DTX e Ferramentas de instalação, a exemplo de Fiber QuickMap, OptiFiber, IntelliTone, Jack Rapid.      

Fornecimento de solução IP Pelco para linha verde do Metrô é notícia na revista Digital Security

O fornecimento realizado pelo Grupo Policom a Linha Verde do Metrô de SP, contemplando sistema de CFTV IP Pelco para as estações Sacomã, Tamanduateí e Vila Prudente, é matéria de capa da revista Digital Security. Confira a matéria. Open publication - Free publishing - More cabeamento

Guia de projeto para Data Center: lançamento da CommScope

A CommScope lançou um guia de projeto de data center, chamado Living Infrastructure, solução que potenciliazará, nos projetos de arquitetura, a eficiência e a produtividade, prolongando a vida útil da sua rede e maximizando o rendimento dos seus investimentos. Neste guia, está disponível uma variedade de projetos de arquitetura, com algumas das implementações mais comuns e diferentes vantagens, de modo a mostrar como esses projetos podem ajudar a determinar as bases fundamentais que um novo data center. Entre os temas tratados estão: Descrição geral do Data Center Seleção do projeto de módulo Considerações para o Data Center típico EoR (final de linha)- quatro opções  MoR (metade de linha) - quatro opções ToR (parte superior do rack) Módulo de gabinetes  - duas opções Linha de infraestrutura exclusiva - duas opções Conexão cruzada centralizada

Para download do guia, clique aqui.

ISA Show ES 2011: Grupo Policom presente com SS Brasil

Considerado um dos maiores eventos regionais dos segmentos de instrumentação, sistemas, elétrica e automação, o ISA Show ES 2011 foi realizado de 31 de agosto a 1º de setembro, no Centro de Convenções de Vitória, das 16h à s 22h. Em área de aproximadamente 771 m² estiveram presentes mais de 40 empresas expositoras locais e de outros Estados. Entre elas, a SS BRASIL (http://www.ssbrasil.com.br/), que contou com o apoio do Grupo Policom e mostrou soluções de CFTV IP de alta resolução, entre outras linhas distribuídas pelo Grupo Policom em todo o Brasil. Na ocasião, o estande foi o ganhador como destaque da feira este ano. Paralelamente ao ISA Show ES, aconteceu o Seminário Técnico sobre Eficiência Energética e Competitividade. No período da manhã, foram realizados minicursos sobre Sistema Instrumentado de Segurança SIS e Projeto, Dicas de Montagem e Diagnósticos de Rede Profibus. Teve, ainda, apresentações de trabalhos técnicos e palestras técnico-comerciais.

Locaweb e Ponto Frio: cases CommScope pelo Grupo Policom

A CommScope publicou dois cases brasileiros, fornecidos pelo Grupo Policom. Trata-se dos fornecimentos para Locaweb e PontoFrio.com. No caso da Locaweb, o fornecimento compreende cabeamento estruturado Categoria 6A e Categroai 6 para os data centres da empresa. A isso se somam soluções de fibra ópica LazrSpped 300 e InstaPatch Plus e conectividade UTP com patch panels angulares e PatchMAX. Além da solução SYSTIMAX, os data centers da Locaweb contam com racks Top Solution G3.  Para o PontoFrio.com, foi fornedica solução Uniprise® para voz e dados, implementada pela SLA7. Os cases, na íntegra, podem ser consultados no site do Grupo Policom, nos links Ponto Frio e Locaweb. As publicações da CommScope  podem ser vistas, clicando nas figuras.

NVT lança solução para Ethernet sobre cabo coaxial

A Network Vídeo Technologies (NVT) está lançando uma nova solução de Ethernet sobre cabo coaxial, complementando, assim, o apoio a instaladores de CFTV que já contavam previamente com cabo coaxial e que estão migrando para um sistemas de IP. à‰ o transceptor para Ethernet sobre cabo coaxial (Ethernet over Coax--EoC) da NVT modelo NV-EC1701, que está disponível para venda no Grupo Policom. A tecnologia pode ser conferida ao vivo no Policom Solution Center, em São Paulo. Conversor de mídia compacto, o EoC permite a transmissão de Ethernet base T, 10/100 e energia por Ethernet (PoE) até uma distàância de 5,000 pés (1,500 m), mediante um novo cabo coaxial ou um coaxial já existente, e pode conectar-se com adaptadores BNC tipo “T”, formando uma rede com arquitetura de dados que é compatível com até cinco transceptores EoC. A energia de 48VDC classe 2 alimenta um transceptor, cuja alimentação do tipo PoE é repassada para até quatro transceptores remotos e suas respectivas câmeras IP/PoE ou a outros dispositivos compatíveis. Possui compatibilidade com alimentação de câmeras de até 45 watts. Este dispositivo se instala rapidamente, plug in play, é fácil de usar e transparente para a rede, sem requerer configuração de direção IP ou MAC para o transceptor. Três LEDs de estado indicam o status da energia, do enlace e a atividade de suas portas RJ45 e coaxial. "Com a introdução do produto EoC da NVT, oferecemos a nossos clientes uma oportunidade de custo benefício, para instalar câmeras IP em um cabo coaxial já instalado a distàâncias, e/ou níveis de energia muito acima do que oferece uma solução de um sistema PoE convencional", menciona Gislaine Luz, executiva de Desenvolvimento de Negócios para o Conesul. "Nossa avançada tecnologia de transmissão e energia oferece conectividade com transmissão e recepção simultàâneas (full-duplex) muito sólida para todas as cameras IP, incluindo as megapixels, o que permite uma transição sem contratempos ao IP." Como todos os produtos de NVT, o modelo NV-EC1701 tem garantia vitalícia e é homologado pelo UL e cUL, além de compatível com as normas CE, RoHS e WEEE. Também conta com respaldo premiado de serviço ao cliente da NVT.

Novidades em conversores e switches para ambientes industriais

Os lançamentos da Transition Networks nas linhas de conversores industriais, switch com porta óptica e conversor PoE, já estão sendo comercializados pelas empresas do Grupo Policom® - referência nacional na distribuição de produtos para Cabeamento Estruturado direcionados a aplicações de dados, voz, vídeo e controles prediais, e para CFTV IP.   Indicado para topologia em anel com até três câmeras de CFTV, o switch SISGM1040-244-LRT (foto à  esquerda) é compacto, tem porta óptica e é capaz de alimentar várias câmeras, com ou sem PoE (Power over Ethernet). Com 4 portas 10/100/1000Mbps e outras 4 SFP (mini-GBIC), esse switch também é disponível na versão industrial, podendo suportar até 75ºC de temperatura de operação. O fato de poder ser interligado em anel, gera economia de fibra e mais disponibilidade, devido à  própria redundàância desse tipo de topologia. Outra novidade da Transition Networks comercializada pelo Grupo Policom é o conversor mini-industrial M/E-ISW-FX-01 (foto à  direita), com tamanho menor do que o de um cartão de visita, que pode ser inserido na caixa da câmera e é plug-and-play. Indicado para ambientes industriais, por suportar temperatura de até 75ºC, ou aplicações em áreas externas, tem retorno automático de link e autonegociação, que permite aos equipamentos definir, automaticamente, o melhor modo para operação de um link. Esse conversor transfere o estado de uma porta para outra, não escondendo os problemas do lado remoto da rede e alarmando o lado local, ou seja, quando o equipamento no lado remoto falha e portanto a porta ao qual ele esta ligado no equipamento remoto (exemplo UTP) vai desligar, automaticamente o equipamento desliga a porta em fibra para propagar a falha. Desse modo, o equipamento local vai ter sua porta em fibra desligada, pois caiu o link em fibra, e vai propagar a falha, desligando a porta UTP. Já o conversor SPOEB10xx-100 (foto central), permite que, ao desconectar a fibra no lado local, seja automaticamente desabilitado do lado remoto o PoE da porta UTP por 2 segundos. Além de retorno automático de link e autonegociação, esse conversor também transfere o estado de uma porta para outra, não escondendo os problemas do lado remoto da rede e alarmando o lado local.  A garantia dos produtos é lifetime. Para toda sua linha de produtos, a Transition Networks conta com suporte em Português, 24 x 7 por telefone ou web.